Pular para o conteúdo principal

TCHAU PASTOR!!!

TCHAU PASTOR!!!  Não fosse trágico, seria no mínimo cômico, a cena que vi anteontem, no culto de Domingo - 28/09/2014. O Pastor celebrante, lembrava a todos os presentes que, em virtude das eleições na próxima semana, a igreja local esteve empenhada em oração, e até mesmo em jejuns, fazendo atos públicos nas praças, de oração pela nação no que tange às eleições. Também dizia que não bastava orar, mas também agir, e com consciência na hora de escolher os candidatos a serem eleitos. Ainda enquanto o Pastor falava, um participante do culto, que estava assentado bem nos bancos da frente, visivelmente irritado, de Bíblia em punho, pulou de seu assento e gritou pra todos ouvirem: TCHAU PASTOR!!!, e saiu pisando alto. O Pastor, por sua vez, com toda sua experiência, não deixou-se perturbar pelo ocorrido e seguiu dando as devidas instruções que havia inciado.
Essa cena não saiu da minha cabeça, e fiquei imaginando, que de algum modo, esta cena poderia repetir-se pelo Brasil a fora, isto porque, infelizmente, assim como o irritado participante do culto, muitos crentes, se sentem incomodados quando ouvem exortações, de púlpito, quanto à sua responsabilidade do voto consciente. Creio eu, porque, tais pessoas equivocadamente entendem que política, não é coisa de cristão. Que não existe solução. E chegam mesmo a usar a Bíblia para justificar sua omissão: “o mundo jaz no maligno”. Ledo, engano. Nós como cristão, somos os que mais temos a responsabilidade de agirmos no mundo em que vivemos, visto que na palavras do Senhor Jesus “somos a luz do mundo”. Gente quando ouve falar de política na igreja e diz: tchau pastor!!!, é porque não conhece a própria Bíblia que carrega em suas mãos, e não é de se estranhar, porque o próprio Senhor Jesus disse aos Fariseus, doutores da lei: “errais não conhecendo as Escrituras”. Ora, os profetas, grandes profetas, tão admirados pelos leitores da Bíblia, e que às vezes querem até mesmo os imitarem em suas palavras e ações, não se dão conta de que os profetas eram altamente politizados. Eles denunciavam os governos nefastos, cruéis, corruptos e podres de sua época. E até mesmo, conclamavam o povo de Israel a “repreenderem o opressor, o que pratica injustiça, o que aceita subornos, o que não pleiteia a causas das viúvas e dos pobres, ou, os que fazem leis injustas”, foram temas recorrentes em Isaías, Jeremias, Habacuque, e Joel – todos eles. Diga-se de passagem, que opressor no Antigo Testamento, não se refere a Satanás ou ao Maligno, porque esta concepção é neotestamentária e eclesiástica. Repreender o opressor, era denunciar o líder injusto – fosse ele o rei, juiz, ou até mesmo um sacerdote. Ora, hoje, no Brasil, em um estado de direito democrático, não há outro meio de se fazer isso, tendo uma participação política efetiva, a começar pelo voto, e depois, ao participar de movimentos, ações e grupos de consciência político-democrático. A bem da verdade, quem diz tchau pastor!!!; também diz tchau democracia; tchau escolas, tchau saúde, tchau aos bilhões de Reais que são gastos com a máquina inoperante do governo; tchau aos bilhões de Reais que são desviados por políticos, lobistas, empresas de fachada, e toda banda podre desde o alto escalão do governo até aos cargos municipais. Domingo próximo, iniciaremos o estudo no profeta Daniel, um homem de Deus que foi estadista, no governo da Pérsia, um governo estrangeiro, mas que de acordo com o profeta Jeremias, estava a serviço de Deus. Queira o bom Deus que aprendamos a sermos cristãos, conscientes de nosso lugar, e lembrando as palavras do sábio Mardoqueu à Ester: quem sabe não foi para este tempo que o Senhor o colocou neste lugar. E que nunca mais se diga nos brasis a fora, tchau pastor!!!    


Comentários

  1. Concordo. Inclusive vi um vídeo recente do Pr. Silas sobre o mesmo assunto. Segue link:
    https://www.youtube.com/watch?v=ggqIBKQjuEU

    Retirado do site http://www.vitoriaemcristo.org/_gutenweb/_site/gw-videos/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

QUANDO O CINTO SE ROMPE!

Hoje pela manhã quando estava colocando o cinto na calça como de costume, ele quebrou. Se quebrou onde dificilmente quebraria, na fivela. Quando isto aconteceu, lembrei-me do cinto roto descrito em Jr 13.1-11, e de várias outras ocasiões em que o cinto é descrito na Bíblia. Há pelo menos cinco palavras hebraicas e uma palavra grega para cinto1.
1) Abnet usada 9 vezes em Ex 28.4, 39, 40, Lv 8.7, 13 e Is 2.21.
2) Ezor, 14 vezes em II Rs 1.8; Is 5.27; 11.5; Jr 13.1, 2, 4, 6, 10 e 11.
3) Chagor usada 4 vezes em I Sm 18.4; II Sm 20.8; Pv 31.24 e Ez 23.15.
4) Chagorah ocorre 3 vezes em 2 Sm 18.11; i Rs 2.5 e Is 3.24.
5) Mezach aparece apenas uma vez em Sl 109.19, e
6) Zóne que ocorre 8 vezes em Mt 3.4; 10.19; Mc 1.6; 6.8; At 21.11, Ap 1.13; 15.6.
O uso de pelo menos 39 registros da palavra cinto no texto bíblico. Isto significa que este não era apenas uma peça de enfeite de vestuário. Não era apenas uma faixa de pano para ser usada á altura da cintura, como tamb…

LIVRO DE JUÍZES: a crise moral de Israel

O livro de Juízes recebe esse nome em virtude dos líderes militares e civis levantados por Deus para livrar Israel de seus opressores. O título hebraico traduzido por Juízes é seguido por versões antigas e modernas.
Os juízes não tinham formação oficial para julgar disputas legais como a palavra juiz dá hoje a entender. Eles eram líderes dotados pelo Espírito, escolhidos por Deus para tarefas específicas. Dois dos líderes, Otniel e Eúde, são descritos como “libertadores”. Só Gideão não é chamado juiz ou libertador, mas se diz que livrou Israel. Em um caso, o Senhor é descrito como “juiz”.
O livro de Juízes não revela sua autoria. A tradição judaica de que Samuel escreveu o livro não pode ser comprovada. Alguns estudiosos crêem, porém, que Samuel é o que melhor se adapta às evidências do livro.

É provável que o livro tenha sido compilado durante o início da monarquia. As fontes do livro foram reunidas de maneira gradual, em vários estágios, para for…

INTRODUÇÃO ÀS PARÁBOLAS DOS EVANGELHOS

O termo parábola significa literalmente comparação. É fazer uma comparação. Os dois elementos linguísticos que originaram o termo (para + ballo) significam colocar junto; colocar lado a lado; colocar uma coisa ao lado de outra para fins de comparação.

A parábola é uma comparação extraída da natureza ou da vida diária destinada a esclarecer verdades da esfera espiritual. Ela por uma lado oculta o ensino, e por outro revela-o, dependendo isso do tipo de ouvinte (Mc 4.11, 12; Lc 8.10). Para os indiferentes a Deus e as suas coisas, a parábola é apenas uma história, um relato de fatos reais ou possíveis. Para os espirituais e sedentos da verdade, ele revela os mistérios do reino dos céus no seu aspecto atual (Mc 13.3-53).

Distribuição das parábolas nos Evangelhos:

Das trinta e sete parábolas apresentadas nos Evangelhos, elas encontram-se distribuídas da seguintes forma:
Mateus nos dá onze das parábolas de Jesus, não encontradas nos outros Evangelhos:

1.O joio, Mt 13.24-30, 36-43.
2.O tesouro esc…