terça-feira, 30 de setembro de 2014

TCHAU PASTOR!!!

TCHAU PASTOR!!!  Não fosse trágico, seria no mínimo cômico, a cena que vi anteontem, no culto de Domingo - 28/09/2014. O Pastor celebrante, lembrava a todos os presentes que, em virtude das eleições na próxima semana, a igreja local esteve empenhada em oração, e até mesmo em jejuns, fazendo atos públicos nas praças, de oração pela nação no que tange às eleições. Também dizia que não bastava orar, mas também agir, e com consciência na hora de escolher os candidatos a serem eleitos. Ainda enquanto o Pastor falava, um participante do culto, que estava assentado bem nos bancos da frente, visivelmente irritado, de Bíblia em punho, pulou de seu assento e gritou pra todos ouvirem: TCHAU PASTOR!!!, e saiu pisando alto. O Pastor, por sua vez, com toda sua experiência, não deixou-se perturbar pelo ocorrido e seguiu dando as devidas instruções que havia inciado.
Essa cena não saiu da minha cabeça, e fiquei imaginando, que de algum modo, esta cena poderia repetir-se pelo Brasil a fora, isto porque, infelizmente, assim como o irritado participante do culto, muitos crentes, se sentem incomodados quando ouvem exortações, de púlpito, quanto à sua responsabilidade do voto consciente. Creio eu, porque, tais pessoas equivocadamente entendem que política, não é coisa de cristão. Que não existe solução. E chegam mesmo a usar a Bíblia para justificar sua omissão: “o mundo jaz no maligno”. Ledo, engano. Nós como cristão, somos os que mais temos a responsabilidade de agirmos no mundo em que vivemos, visto que na palavras do Senhor Jesus “somos a luz do mundo”. Gente quando ouve falar de política na igreja e diz: tchau pastor!!!, é porque não conhece a própria Bíblia que carrega em suas mãos, e não é de se estranhar, porque o próprio Senhor Jesus disse aos Fariseus, doutores da lei: “errais não conhecendo as Escrituras”. Ora, os profetas, grandes profetas, tão admirados pelos leitores da Bíblia, e que às vezes querem até mesmo os imitarem em suas palavras e ações, não se dão conta de que os profetas eram altamente politizados. Eles denunciavam os governos nefastos, cruéis, corruptos e podres de sua época. E até mesmo, conclamavam o povo de Israel a “repreenderem o opressor, o que pratica injustiça, o que aceita subornos, o que não pleiteia a causas das viúvas e dos pobres, ou, os que fazem leis injustas”, foram temas recorrentes em Isaías, Jeremias, Habacuque, e Joel – todos eles. Diga-se de passagem, que opressor no Antigo Testamento, não se refere a Satanás ou ao Maligno, porque esta concepção é neotestamentária e eclesiástica. Repreender o opressor, era denunciar o líder injusto – fosse ele o rei, juiz, ou até mesmo um sacerdote. Ora, hoje, no Brasil, em um estado de direito democrático, não há outro meio de se fazer isso, tendo uma participação política efetiva, a começar pelo voto, e depois, ao participar de movimentos, ações e grupos de consciência político-democrático. A bem da verdade, quem diz tchau pastor!!!; também diz tchau democracia; tchau escolas, tchau saúde, tchau aos bilhões de Reais que são gastos com a máquina inoperante do governo; tchau aos bilhões de Reais que são desviados por políticos, lobistas, empresas de fachada, e toda banda podre desde o alto escalão do governo até aos cargos municipais. Domingo próximo, iniciaremos o estudo no profeta Daniel, um homem de Deus que foi estadista, no governo da Pérsia, um governo estrangeiro, mas que de acordo com o profeta Jeremias, estava a serviço de Deus. Queira o bom Deus que aprendamos a sermos cristãos, conscientes de nosso lugar, e lembrando as palavras do sábio Mardoqueu à Ester: quem sabe não foi para este tempo que o Senhor o colocou neste lugar. E que nunca mais se diga nos brasis a fora, tchau pastor!!!