Pular para o conteúdo principal

O VERDEIRO SENTIDO DO NATAL


        Quando o mês de dezembro se inicia, começam no mundo inteiro a se enfeitar para o Natal. Infelizmente, a comemoração do nascimento de Cristo, há mais de dois mil anos, tem sido sistematicamente deturpada para satisfazer o enriquecimento do mundo dos negócios. A finalidade real do Natal, a maravilhosa mensagem que ele traz, suas implicações eternas, o grande e sublime mistério de Deus encarnado são esquecidos. Como aconteceu na noite em que Jesus nasceu, quando José não encontrou um lugar para acolher Maria e o bebê, ano após ano no mundo de hoje a acolhida ao menino­ Deus  continua fria.

         Porém seu nascimento em uma pobre estrebaria profetizou as boas vindas hoje o fazem, com corações humildes, receptivos e gratos, porque compreendem o significado sobrenatural do Natal.

         O natal só pode ser entendido em toda a sua dimensão quando Jesus recebe um lugar prioridade em nosso coração e em nossa vida. Quando a pessoa entende que a vida de Cristo veio trazer luz à escuridão imposta à nossa vida pelo pecado abrimos nossos olhos para o engano provocado pelas mentiras que satanás insiste em nos contar, entendemos que o Natal não é apenas um feriado, mas um dia sagrado.

         O Natal só pode ser totalmente compreendido sob a visão da cruz erguida num calvário de sofrimento ou diante da surpresa e da alegria incontrolável dos discípulos à beira de um túmulo vazio ou do seu privilégio de assistir à ascensão de Cristo.

         Para todos os que conhecem pessoalmente Jesus Cristo, o Filho de Deus, a celebração do Natal traz enorme a grata felicidade, que para outros tudo não passa de uma festa que termina em poucas horas.

         O nascimento de Jesus não foi um simples acontecimento da história. Foi a vinda triunfante de Deus ao mundo, em carne, osso e sangue para viver ao lado de suas criaturas. Infelizmente, muitos comemoram o nascimento de Cristo sem conhecer o Aniversariante! Por isso, aqueles que carregam o nome de Jesus devem proclamar o real significado do Natal.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUANDO O CINTO SE ROMPE!

Hoje pela manhã quando estava colocando o cinto na calça como de costume, ele quebrou. Se quebrou onde dificilmente quebraria, na fivela. Quando isto aconteceu, lembrei-me do cinto roto descrito em Jr 13.1-11, e de várias outras ocasiões em que o cinto é descrito na Bíblia. Há pelo menos cinco palavras hebraicas e uma palavra grega para cinto1.
1) Abnet usada 9 vezes em Ex 28.4, 39, 40, Lv 8.7, 13 e Is 2.21.
2) Ezor, 14 vezes em II Rs 1.8; Is 5.27; 11.5; Jr 13.1, 2, 4, 6, 10 e 11.
3) Chagor usada 4 vezes em I Sm 18.4; II Sm 20.8; Pv 31.24 e Ez 23.15.
4) Chagorah ocorre 3 vezes em 2 Sm 18.11; i Rs 2.5 e Is 3.24.
5) Mezach aparece apenas uma vez em Sl 109.19, e
6) Zóne que ocorre 8 vezes em Mt 3.4; 10.19; Mc 1.6; 6.8; At 21.11, Ap 1.13; 15.6.
O uso de pelo menos 39 registros da palavra cinto no texto bíblico. Isto significa que este não era apenas uma peça de enfeite de vestuário. Não era apenas uma faixa de pano para ser usada á altura da cintura, como tamb…

LIVRO DE JUÍZES: a crise moral de Israel

O livro de Juízes recebe esse nome em virtude dos líderes militares e civis levantados por Deus para livrar Israel de seus opressores. O título hebraico traduzido por Juízes é seguido por versões antigas e modernas.
Os juízes não tinham formação oficial para julgar disputas legais como a palavra juiz dá hoje a entender. Eles eram líderes dotados pelo Espírito, escolhidos por Deus para tarefas específicas. Dois dos líderes, Otniel e Eúde, são descritos como “libertadores”. Só Gideão não é chamado juiz ou libertador, mas se diz que livrou Israel. Em um caso, o Senhor é descrito como “juiz”.
O livro de Juízes não revela sua autoria. A tradição judaica de que Samuel escreveu o livro não pode ser comprovada. Alguns estudiosos crêem, porém, que Samuel é o que melhor se adapta às evidências do livro.

É provável que o livro tenha sido compilado durante o início da monarquia. As fontes do livro foram reunidas de maneira gradual, em vários estágios, para for…

INTRODUÇÃO ÀS PARÁBOLAS DOS EVANGELHOS

O termo parábola significa literalmente comparação. É fazer uma comparação. Os dois elementos linguísticos que originaram o termo (para + ballo) significam colocar junto; colocar lado a lado; colocar uma coisa ao lado de outra para fins de comparação.

A parábola é uma comparação extraída da natureza ou da vida diária destinada a esclarecer verdades da esfera espiritual. Ela por uma lado oculta o ensino, e por outro revela-o, dependendo isso do tipo de ouvinte (Mc 4.11, 12; Lc 8.10). Para os indiferentes a Deus e as suas coisas, a parábola é apenas uma história, um relato de fatos reais ou possíveis. Para os espirituais e sedentos da verdade, ele revela os mistérios do reino dos céus no seu aspecto atual (Mc 13.3-53).

Distribuição das parábolas nos Evangelhos:

Das trinta e sete parábolas apresentadas nos Evangelhos, elas encontram-se distribuídas da seguintes forma:
Mateus nos dá onze das parábolas de Jesus, não encontradas nos outros Evangelhos:

1.O joio, Mt 13.24-30, 36-43.
2.O tesouro esc…