Pular para o conteúdo principal

PROMESSA QUE PROMETE!!!

PROMESSA! Nome do primeiro show gospel promovido pela GLOBO. Conforme já havia previsto a tempos atrás, ví sem surpresa alguma a GLOBO promover um festival de música gospel. É triste ver os rumos que este encanto dos evangélicos pela mídia global vai tomando. A história já provou que todas as vezes que o povo de Deus se enamorou com o mundo, teve perdas irreparáveis. Foi Israel que preferiu a monarquia ao invés da teocracia. Os judeus e o encanto com o templo salomônico, em detrimento de um culto genuíno. A igreja que se embeveceu com o poder, e a teologia com a academia liberal. Os efeitos foram os mais devastadores. Agora, a cena se repete, porém revestido de um outro glamour. Evangélicos agora são reconhecidos pela música que produzem. Produzem!? Hum, isso lembra produto. Produto lembra comércio, comércio lembra dinheiro, dinheiro lembra fama, e é só o começo do ciclo vicioso. O problema é que tudo vem travestido de adoração, louvor, clamor e etc. A verdade é que PROMESSA, PROMETE!!! Até quando Senhor?

Comentários

  1. Professor Neemias;

    Considero muito oportuna sua avaliação do Festival Promessas. Eu estava voltando de Cláudio/MG quando assisti parte do programa durante a espera na Rodoviária de lá. Curioso foi que assim que terminou, o próximo programa foi o da Regina Casé em que ela pergunta para uma atriz global (nunca guardo os nomes!) se ela era tão devota de "aparecida" quanto a sua personagem, ao que ela responde sim. Regina deixa uma mensagem que diz: É isso! Não importa em quem se creia, importa que se creia. O que importa é a fé...

    Para mim, isso tudo não passa de uma jogada da Globo para tentar arrebanhar uma boa parcela dos consumidores que não dá crédito às suas programações. Algo do tipo: Ei você crente! Agora não tem desculpa para não assistir a programação da Globo, pois ela tem até "programa evangélico" e até prometia uma "evangélica" para o BBB12, que saiu logo no começo... melhor pra ela.

    Grande abraço;

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

QUANDO O CINTO SE ROMPE!

Hoje pela manhã quando estava colocando o cinto na calça como de costume, ele quebrou. Se quebrou onde dificilmente quebraria, na fivela. Quando isto aconteceu, lembrei-me do cinto roto descrito em Jr 13.1-11, e de várias outras ocasiões em que o cinto é descrito na Bíblia. Há pelo menos cinco palavras hebraicas e uma palavra grega para cinto1.
1) Abnet usada 9 vezes em Ex 28.4, 39, 40, Lv 8.7, 13 e Is 2.21.
2) Ezor, 14 vezes em II Rs 1.8; Is 5.27; 11.5; Jr 13.1, 2, 4, 6, 10 e 11.
3) Chagor usada 4 vezes em I Sm 18.4; II Sm 20.8; Pv 31.24 e Ez 23.15.
4) Chagorah ocorre 3 vezes em 2 Sm 18.11; i Rs 2.5 e Is 3.24.
5) Mezach aparece apenas uma vez em Sl 109.19, e
6) Zóne que ocorre 8 vezes em Mt 3.4; 10.19; Mc 1.6; 6.8; At 21.11, Ap 1.13; 15.6.
O uso de pelo menos 39 registros da palavra cinto no texto bíblico. Isto significa que este não era apenas uma peça de enfeite de vestuário. Não era apenas uma faixa de pano para ser usada á altura da cintura, como tamb…

LIVRO DE JUÍZES: a crise moral de Israel

O livro de Juízes recebe esse nome em virtude dos líderes militares e civis levantados por Deus para livrar Israel de seus opressores. O título hebraico traduzido por Juízes é seguido por versões antigas e modernas.
Os juízes não tinham formação oficial para julgar disputas legais como a palavra juiz dá hoje a entender. Eles eram líderes dotados pelo Espírito, escolhidos por Deus para tarefas específicas. Dois dos líderes, Otniel e Eúde, são descritos como “libertadores”. Só Gideão não é chamado juiz ou libertador, mas se diz que livrou Israel. Em um caso, o Senhor é descrito como “juiz”.
O livro de Juízes não revela sua autoria. A tradição judaica de que Samuel escreveu o livro não pode ser comprovada. Alguns estudiosos crêem, porém, que Samuel é o que melhor se adapta às evidências do livro.

É provável que o livro tenha sido compilado durante o início da monarquia. As fontes do livro foram reunidas de maneira gradual, em vários estágios, para for…

INTRODUÇÃO ÀS PARÁBOLAS DOS EVANGELHOS

O termo parábola significa literalmente comparação. É fazer uma comparação. Os dois elementos linguísticos que originaram o termo (para + ballo) significam colocar junto; colocar lado a lado; colocar uma coisa ao lado de outra para fins de comparação.

A parábola é uma comparação extraída da natureza ou da vida diária destinada a esclarecer verdades da esfera espiritual. Ela por uma lado oculta o ensino, e por outro revela-o, dependendo isso do tipo de ouvinte (Mc 4.11, 12; Lc 8.10). Para os indiferentes a Deus e as suas coisas, a parábola é apenas uma história, um relato de fatos reais ou possíveis. Para os espirituais e sedentos da verdade, ele revela os mistérios do reino dos céus no seu aspecto atual (Mc 13.3-53).

Distribuição das parábolas nos Evangelhos:

Das trinta e sete parábolas apresentadas nos Evangelhos, elas encontram-se distribuídas da seguintes forma:
Mateus nos dá onze das parábolas de Jesus, não encontradas nos outros Evangelhos:

1.O joio, Mt 13.24-30, 36-43.
2.O tesouro esc…