Pular para o conteúdo principal

A SÍNDROME DE GEAZI

Geazí foi aquele servo do profeta Elizeu, que viu uma oportunidade tirar algum proveito pessoal com o poderoso ministério de seu senhor. O ministério de Elizeu foi repleto de sinais e maravilhas e isso atraía muita gente até ele em busca de solução imediata para os seu problemas. Uma ocasião, um comandante do exército sírio chamado Naamã, que era leproso, foi pedir uma cura ao profeta Elizeu, e como recompensa lhe levou presentes. No entanto Elizeu não o recebeu pessoalmente, muito menos aceitou os presentes levados por Naamã. O Geazí, que era servo do profeta viu o ocorrido, foi atrás de Naamã e lhe pediu que lhe desse os presentes rejeitados pelo seu senhor.
Então Geazi, servo de Eliseu, homem de Deus, disse: Eis que meu senhor poupou a este sírio Naamã, não recebendo da sua mão alguma coisa do que trazia; porém, vive o SENHOR que hei de correr atrás dele, e receber dele alguma coisa. 2 Reis 5:20
Geazí morreu. Mas seu “espírito” está entre nós.
Como diria o Lula “como nunca na história deste país” temos visto o surgimento de grandes estrelas do “show da fé gospel”, pregadores, palestrantes e cantores. Alguns deles ganharam projeção nacional e se destacam pela boa presença de palco, palavras bem articuladas e o uso de aparato tecnológico disponível. De certa forma eles são a “vitrine” evangélica o que é bastante preocupante. Mas e onde entra o Geazí? O Elizeu que alguns deles “incorporam” faz milagres, sinais (se bem que uma boa parte com visíveis sinais de truques hipnóticos, sugestão psíquico-coletiva, etc). Mas, logo em seguida “baixa” o espírito de Geazí que pede uma ajuda pra sustentar o seu ministério, e isso inclui ofertas, vendas de DVDs, livros, e “patuás” gospel.
Devido a sua ganância, o profeta permitiu que a lepra e Naamã recaísse sobre Geazí. O problema que os protagonistas em pauta tanto fazem o papel de Elizeu e de Geazí, e logicamente não se amaldiçoarem com lepra, como foi o que aconteceu com Geazí.
QUE DEUS TENHA PIEDADE DE NÓS!!!

Comentários

  1. Outro dia eu vi uma "pregação" do Cerullo no qual ele disse: "A parte da bíblia que funciona para você é a parte que você conhece..." Passei mal! Um doutor em Teologia dizer isso em uma rede nacional é uma vergonha. Que eu saíba desde No princípio até o amém funciona quer creiamos ou não. Se fosse assim....

    ResponderExcluir
  2. "Esse povo que não conhece a lei é maldito" isso é o que sei. É dever de todos conhecê-la por inteiro.

    ResponderExcluir
  3. Qual o futuro da decendência de Geazi? Que eu saiba, os Hebreus eram negros, daí o termo: alvo mais que a neve. Ele foi amaldiçoado a ser branco? Daí descendem os Europeus? Paz!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

QUANDO O CINTO SE ROMPE!

Hoje pela manhã quando estava colocando o cinto na calça como de costume, ele quebrou. Se quebrou onde dificilmente quebraria, na fivela. Quando isto aconteceu, lembrei-me do cinto roto descrito em Jr 13.1-11, e de várias outras ocasiões em que o cinto é descrito na Bíblia. Há pelo menos cinco palavras hebraicas e uma palavra grega para cinto1.
1) Abnet usada 9 vezes em Ex 28.4, 39, 40, Lv 8.7, 13 e Is 2.21.
2) Ezor, 14 vezes em II Rs 1.8; Is 5.27; 11.5; Jr 13.1, 2, 4, 6, 10 e 11.
3) Chagor usada 4 vezes em I Sm 18.4; II Sm 20.8; Pv 31.24 e Ez 23.15.
4) Chagorah ocorre 3 vezes em 2 Sm 18.11; i Rs 2.5 e Is 3.24.
5) Mezach aparece apenas uma vez em Sl 109.19, e
6) Zóne que ocorre 8 vezes em Mt 3.4; 10.19; Mc 1.6; 6.8; At 21.11, Ap 1.13; 15.6.
O uso de pelo menos 39 registros da palavra cinto no texto bíblico. Isto significa que este não era apenas uma peça de enfeite de vestuário. Não era apenas uma faixa de pano para ser usada á altura da cintura, como tamb…

LIVRO DE JUÍZES: a crise moral de Israel

O livro de Juízes recebe esse nome em virtude dos líderes militares e civis levantados por Deus para livrar Israel de seus opressores. O título hebraico traduzido por Juízes é seguido por versões antigas e modernas.
Os juízes não tinham formação oficial para julgar disputas legais como a palavra juiz dá hoje a entender. Eles eram líderes dotados pelo Espírito, escolhidos por Deus para tarefas específicas. Dois dos líderes, Otniel e Eúde, são descritos como “libertadores”. Só Gideão não é chamado juiz ou libertador, mas se diz que livrou Israel. Em um caso, o Senhor é descrito como “juiz”.
O livro de Juízes não revela sua autoria. A tradição judaica de que Samuel escreveu o livro não pode ser comprovada. Alguns estudiosos crêem, porém, que Samuel é o que melhor se adapta às evidências do livro.

É provável que o livro tenha sido compilado durante o início da monarquia. As fontes do livro foram reunidas de maneira gradual, em vários estágios, para for…

INTRODUÇÃO ÀS PARÁBOLAS DOS EVANGELHOS

O termo parábola significa literalmente comparação. É fazer uma comparação. Os dois elementos linguísticos que originaram o termo (para + ballo) significam colocar junto; colocar lado a lado; colocar uma coisa ao lado de outra para fins de comparação.

A parábola é uma comparação extraída da natureza ou da vida diária destinada a esclarecer verdades da esfera espiritual. Ela por uma lado oculta o ensino, e por outro revela-o, dependendo isso do tipo de ouvinte (Mc 4.11, 12; Lc 8.10). Para os indiferentes a Deus e as suas coisas, a parábola é apenas uma história, um relato de fatos reais ou possíveis. Para os espirituais e sedentos da verdade, ele revela os mistérios do reino dos céus no seu aspecto atual (Mc 13.3-53).

Distribuição das parábolas nos Evangelhos:

Das trinta e sete parábolas apresentadas nos Evangelhos, elas encontram-se distribuídas da seguintes forma:
Mateus nos dá onze das parábolas de Jesus, não encontradas nos outros Evangelhos:

1.O joio, Mt 13.24-30, 36-43.
2.O tesouro esc…