Pular para o conteúdo principal

O REI DAVÍ, CAPOEIRA, CARNAVAL, FUMAÇA E LUZES: É TEMPO DE "LOVAR"

Hoje, sexta-feira (12/02/2010) estava assistindo ao telejornal das 20:00hs, e num dos intervalos ao trocar de canal me deparei com uma cena que não esperava ver tão cedo. E olha que eu já não me assombro com quase nada, nestes tempos em que a pós-modernidade nos surpreende constantemente. Ao trocar de canal, dei de vista com um culto evangélico transmitido ao vivo. No púlpito um grupo de jovens com biribauns, afoxês e outros aparatos afro-instrumentais faziam uma “roda de capoeira”, cantando – eu sou livre pelo sangue - e batendo palmas para ritimar a roda de capoeira. A princípio não acreditei no que tava vendo. Ao assistir este culto ritimado com cantiga de capoeira me lembrei que há 45 anos atrás essa mesma igreja se dividiu ao aderir ao “movimento de renovação”, uma das razões foi o uso de guitarra e bateria nos cultos. O grupo de capoeira que estava apresentando se chama “valentes de Daví”.
Bem preferí voltar ao telejornal, e pra minha surpresa a notícia que estava passando era a de que antes da abertura do carnaval no Rio de Janeiro um grupo afro-brasileiro e com grupos de capoeira estariam fazendo a abertura antes das escolas de samba para “tirar os maus fluídos e nuvens densas” de sobre o sambódromo.
No intervalo seguinte ao mudar de canal novamente, me deparei com uma transmissão ao vivo de um acampamento católico em que jovens dançavam, pulavam e cantavam ao som de guitarras, bateria, luzes e canhões de fumaça. A música falava de Daví dançando em frente a Arca ao trazê-la pra Jerusalém.
O episódio de Daví está registrado em 2 Sm 6. Apesar de suas boas intenções Daví cometeu dois grandes erros. Primeiro ao levar a Arca para Jerusalém. Com isso a Arca que era pra ser levada as principais cidades dos israelitas, agora ficaria confinada em Jerusalém. Houve então uma “centralização do culto”. Ora a Arca era a principal peça do Tabernáculo. O Tabernáculo era um uma espécie de “templo móvel” que deveria ser montando e desmontado durante a peregrinação de Israel no deserto e na tomada da terra de Canaã. Ex 25.ss. O segundo erro de Daví foi colocar a Arca da Aliança sobre um carro de boi, embora que ainda não usado. Ora, a ordem de Deus era que a Arca deveria ser conduzida nos ombros dos sacerdotes, 1 Cr 15.15, e não por outro meio de transporte.
Diante das cenas que presenciei hoje, fico me perguntando: será que tal qual Daví não estamos colocando a Arca em “carros novos”? Será que não estamos inserindo carros alegóricos (espíritoval) naquilo que chamamos de louvor e adoração? E será que essas palavras de Jesus: Hipócritas, bem profetizou Isaías a vosso respeito, dizendo: Este povo honra-me com os seus lábios, mas o seu coração está longe de mim (Mt 15.7,8) não são para nós nos dias de hoje?

Comentários

  1. Viu? Agora fvocê deve ter entendido o motivo da tv ser pecado! Quem mandou ficar na frente da Tira-Visão? KKKKKK

    Um abraço, Leila Oliver.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

QUANDO O CINTO SE ROMPE!

Hoje pela manhã quando estava colocando o cinto na calça como de costume, ele quebrou. Se quebrou onde dificilmente quebraria, na fivela. Quando isto aconteceu, lembrei-me do cinto roto descrito em Jr 13.1-11, e de várias outras ocasiões em que o cinto é descrito na Bíblia. Há pelo menos cinco palavras hebraicas e uma palavra grega para cinto1.
1) Abnet usada 9 vezes em Ex 28.4, 39, 40, Lv 8.7, 13 e Is 2.21.
2) Ezor, 14 vezes em II Rs 1.8; Is 5.27; 11.5; Jr 13.1, 2, 4, 6, 10 e 11.
3) Chagor usada 4 vezes em I Sm 18.4; II Sm 20.8; Pv 31.24 e Ez 23.15.
4) Chagorah ocorre 3 vezes em 2 Sm 18.11; i Rs 2.5 e Is 3.24.
5) Mezach aparece apenas uma vez em Sl 109.19, e
6) Zóne que ocorre 8 vezes em Mt 3.4; 10.19; Mc 1.6; 6.8; At 21.11, Ap 1.13; 15.6.
O uso de pelo menos 39 registros da palavra cinto no texto bíblico. Isto significa que este não era apenas uma peça de enfeite de vestuário. Não era apenas uma faixa de pano para ser usada á altura da cintura, como tamb…

LIVRO DE JUÍZES: a crise moral de Israel

O livro de Juízes recebe esse nome em virtude dos líderes militares e civis levantados por Deus para livrar Israel de seus opressores. O título hebraico traduzido por Juízes é seguido por versões antigas e modernas.
Os juízes não tinham formação oficial para julgar disputas legais como a palavra juiz dá hoje a entender. Eles eram líderes dotados pelo Espírito, escolhidos por Deus para tarefas específicas. Dois dos líderes, Otniel e Eúde, são descritos como “libertadores”. Só Gideão não é chamado juiz ou libertador, mas se diz que livrou Israel. Em um caso, o Senhor é descrito como “juiz”.
O livro de Juízes não revela sua autoria. A tradição judaica de que Samuel escreveu o livro não pode ser comprovada. Alguns estudiosos crêem, porém, que Samuel é o que melhor se adapta às evidências do livro.

É provável que o livro tenha sido compilado durante o início da monarquia. As fontes do livro foram reunidas de maneira gradual, em vários estágios, para for…

O CORPUS PAULINUS E SUAS FONTES VETEROTESTAMENTÁRIAS

por Neemias de Oliveira1
RESUMO: Neste artigo procurou-se verificar quais foram as fontes disponíveis para a formação do Novo Testamento, mais especificamente o corpus Paulino. Observou-se que o apóstolo Paulo não foi apenas quem mais citou o Primeiro Testamento, tanto de forma direta ou implícita, mas também, quem dispôs das mais variadas formas do texto das Escrituras hebraicas. Destacou-se como e quais as formas que as cartas paulinas dependem de uma ou mais passagens das Escrituras.
PALAVRAS-CHAVE: Escrituras hebraicas, septuaginta, corpus Paulino, citações.
Introdução
A Bíblia dos autores do Novo Testamento eram as Escrituras judaicas, que posteriormente passaram a ser denominadas Antigo Testamento, e mais recentemente Primeiro Testamento.2 A Bíblia era central na vida deles, como também na dos rabinos, essênios, e demais grupos religiosos de sua época.
Uma importante questão é qual versão das Escrituras os autores neotestamentários usaram em seus escritos, uma vez…