Pular para o conteúdo principal

"EL SHADDAY": DE DEUS TODO-PODEROSO A MARCA DE CUECA

Isso mesmo. Você não leu errado nem está diante de uma “heresia medieval”. É grife gospel.
Custei acreditar no que ví. Ao fazer umas comprinhas lá no centro da cidade pelas bandas das Ruas Paraná e Carijós, naquelas lojinhas de miudezas, encontrei uma nova marca de cueca: El Shadday. A princípio meus olhos não quiseram acreditar.
El Shadday, do heb. = “Deus Todo poderoso”.
Pensei em qual seria a reação de um judeu ortodoxo ou de um evangélico da Reforma. A minha foi de total indignação. O Nome do Senhor é blasfemado entre os gentios por causa de vós, Rm 2.24. Os judeus nunca ousavam em pronunciar o nome de Deus. Levavam a sério o "não tomarás o nome do Senhor em vão" Ex 20.7. Aliás, a Divindade era tratada pelas sua natureza ou atos: Eterno, Justo, Santo, Senhor, Salvador etc. Daí dentre outros tratamentos temos o “El Shadday”. A começar por Gn 17.1, esse nome ocorre mais de 40 vezes no Antigo Testamento.
Fiquei imaginando quem teria tido a “grande” idéia de tornar esse nome Santo em bible fashion symbol. Quem o fez, ou apenas achou o nome bonito ou quis dar um “nome forte” àquela marca de cuecas pra que ela se tornasse um sucesso de vendas.
Queria estar enganado, mas tenho plena certeza de que quem o fez, o fez tendo este último objetivo. Um nome forte, um empreendedorismo “gospel” bem sucedido. Num mundo capitalista e consumista em que vivemos, prolifera cada vez mais nomes comerciais de “cunho bíblico” tais como: padaria Pão da vida, pousada Bom Samaritano, sacolão Ebenézer, drogaria Jeová-Rafá, imobiliária Moradas Eternas, bomboniere Maná, vinícula Sangue da Aliança, cemitério Renascer, e a “criatividade” não pára por aí.
Me lembrei de algum tempo atrás em que estava na biblioteca do Seminário, e aí apareceu uma irmã aflita, porque queria um nome para os produtos cosméticos que ela ia produzir. Precisava de um nome “hebraico que fosse forte”. Ora, isso me cheira uma espécie de "kabala gospel”. Mas infelizmente é o que se passa na cabeça de muitos empreendedores evangélicos.
Espero que em nossos “arraiais” o nome do Senhor e as coisas que lhe concernem estejam em seu devido lugar.
Imagine se Deus agisse hoje, como agia nos dias da Lei: “Se não tiveres cuidado de guardar todas as palavras desta lei, que estão escritas neste livro, para temeres este NOME glorioso e temível, O SENHOR TEU DEUS, Então o SENHOR fará espantosas as tuas pragas, e as pragas de tua descendência, grandes e permanentes pragas, e enfermidades malignas e duradouras” Dt 28.58, 59.
Ainda bem que: As misericórdias do SENHOR são a causa de não sermos consumidos, porque as suas misericórdias não têm fim, Lm 3.22
SANTIDADE AO NOME DO SENHOR!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUANDO O CINTO SE ROMPE!

Hoje pela manhã quando estava colocando o cinto na calça como de costume, ele quebrou. Se quebrou onde dificilmente quebraria, na fivela. Quando isto aconteceu, lembrei-me do cinto roto descrito em Jr 13.1-11, e de várias outras ocasiões em que o cinto é descrito na Bíblia. Há pelo menos cinco palavras hebraicas e uma palavra grega para cinto1.
1) Abnet usada 9 vezes em Ex 28.4, 39, 40, Lv 8.7, 13 e Is 2.21.
2) Ezor, 14 vezes em II Rs 1.8; Is 5.27; 11.5; Jr 13.1, 2, 4, 6, 10 e 11.
3) Chagor usada 4 vezes em I Sm 18.4; II Sm 20.8; Pv 31.24 e Ez 23.15.
4) Chagorah ocorre 3 vezes em 2 Sm 18.11; i Rs 2.5 e Is 3.24.
5) Mezach aparece apenas uma vez em Sl 109.19, e
6) Zóne que ocorre 8 vezes em Mt 3.4; 10.19; Mc 1.6; 6.8; At 21.11, Ap 1.13; 15.6.
O uso de pelo menos 39 registros da palavra cinto no texto bíblico. Isto significa que este não era apenas uma peça de enfeite de vestuário. Não era apenas uma faixa de pano para ser usada á altura da cintura, como tamb…

LIVRO DE JUÍZES: a crise moral de Israel

O livro de Juízes recebe esse nome em virtude dos líderes militares e civis levantados por Deus para livrar Israel de seus opressores. O título hebraico traduzido por Juízes é seguido por versões antigas e modernas.
Os juízes não tinham formação oficial para julgar disputas legais como a palavra juiz dá hoje a entender. Eles eram líderes dotados pelo Espírito, escolhidos por Deus para tarefas específicas. Dois dos líderes, Otniel e Eúde, são descritos como “libertadores”. Só Gideão não é chamado juiz ou libertador, mas se diz que livrou Israel. Em um caso, o Senhor é descrito como “juiz”.
O livro de Juízes não revela sua autoria. A tradição judaica de que Samuel escreveu o livro não pode ser comprovada. Alguns estudiosos crêem, porém, que Samuel é o que melhor se adapta às evidências do livro.

É provável que o livro tenha sido compilado durante o início da monarquia. As fontes do livro foram reunidas de maneira gradual, em vários estágios, para for…

INTRODUÇÃO ÀS PARÁBOLAS DOS EVANGELHOS

O termo parábola significa literalmente comparação. É fazer uma comparação. Os dois elementos linguísticos que originaram o termo (para + ballo) significam colocar junto; colocar lado a lado; colocar uma coisa ao lado de outra para fins de comparação.

A parábola é uma comparação extraída da natureza ou da vida diária destinada a esclarecer verdades da esfera espiritual. Ela por uma lado oculta o ensino, e por outro revela-o, dependendo isso do tipo de ouvinte (Mc 4.11, 12; Lc 8.10). Para os indiferentes a Deus e as suas coisas, a parábola é apenas uma história, um relato de fatos reais ou possíveis. Para os espirituais e sedentos da verdade, ele revela os mistérios do reino dos céus no seu aspecto atual (Mc 13.3-53).

Distribuição das parábolas nos Evangelhos:

Das trinta e sete parábolas apresentadas nos Evangelhos, elas encontram-se distribuídas da seguintes forma:
Mateus nos dá onze das parábolas de Jesus, não encontradas nos outros Evangelhos:

1.O joio, Mt 13.24-30, 36-43.
2.O tesouro esc…