Pular para o conteúdo principal

DENÚNCIAS DE PROPINA: banho de Arruda e oração de ações de Graças pelo “santo Durval”

30/11/2009 – Não bastasse as denúncias feitas pelo Sr. Durval Barbosa contra Arruda, o Governador do Distrito Federal, que por si só já são vergonhosas, a GLOBO veicula no Jornal Nacional, o trio “da propina” pedindo perdão a Deus pelas “fraquezas” e agradecendo pela vida do Durval Barbosa.
Como já dizia o Boris Casoy “É UMA VERGONHA!”.

Isaías, o profeta do Antigo Testamento, deve estar se contorcendo em sua sepultura. Como estadista que era, e como profeta em pelo menos cinco reinados diferentes, denunciou abertamente as inustiças cometidas em sua época:

Is 5.20-23 Ai dos que ao mal chamam bem, e ao bem mal; que fazem das trevas luz, e da luz trevas; e fazem do amargo doce, e do doce amargo! Ai dos que são sábios a seus próprios olhos, e prudentes diante de si mesmos! Ai dos que são poderosos para beber vinho, e homens de poder para misturar bebida forte; Dos que justificam ao ímpio por suborno, e aos justos negam a justiça!

Também não se pode esquecer o que o disse o profeta Miquéias em 3.11:

Os seus chefes dão as sentenças por suborno, e os seus sacerdotes ensinam por interesse, e os seus profetas adivinham por dinheiro; e ainda se encostam ao SENHOR, dizendo: Não está o SENHOR no meio de nós? Nenhum mal nos sobrevirá.

Os profetas na verdade não estavam falando nada novo. Estavam cobrando a obediência a Lei do Senhor que já dizia:
Ex 23.8 8 Também suborno não tomarás; porque o suborno cega os que têm vista, e perverte as palavras dos justos.

Dt 27.25 Maldito aquele que aceitar suborno para ferir uma pessoa inocente. E todo o povo dirá: Amém.

Nossos púlpitos continuam silenciosos diante disto tudo. O que é vergonhoso.
Quando o Senhor Jesus chorou sobre Jerusalém, ele disse que as pedras clamariam. E as pedras estão clamando.
Jesus chorou sobre Jerusalém!
Jesus chora pelo Brasil:
Lc 19.40, 41 E, respondendo ele, disse-lhes: Digo-vos que, se estes se calarem, as próprias pedras clamarão. E, quando ia chegando, vendo a cidade, chorou sobre ela.

Acorda igreja brasileira!

Comentários

  1. Sinceramente? Haja Luz!

    O que mais me impressiona é a cegueira e a aceitação do povo! A letargia é absolutamente imposta e compulsória.

    É como está escrito no livro do "profeta" Duque Estrada sobre o Brasil:
    DEITADO ETERNAMENTE EM BERÇO ESPLÊNDIDO...

    Revoltante.
    Leila Oliver - Monlevade

    ResponderExcluir
  2. Prof Neemias, paz.

    Realmente, uma vergonha. Queria ouvir alguem falar isso de pulpito, e nao deixar as coisas esfriarem.

    Pelo menos nos blogs apologeticos tenho lido a indignação cristã diante de tanta falta de carater.

    veja em http://armandomarcos.blogspot.com/

    Sao servos de mamon.

    tb no blog do pr Renato Vargens
    http://renatovargens.blogspot.com/


    Leonardo
    cristaoperegrino

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

QUANDO O CINTO SE ROMPE!

Hoje pela manhã quando estava colocando o cinto na calça como de costume, ele quebrou. Se quebrou onde dificilmente quebraria, na fivela. Quando isto aconteceu, lembrei-me do cinto roto descrito em Jr 13.1-11, e de várias outras ocasiões em que o cinto é descrito na Bíblia. Há pelo menos cinco palavras hebraicas e uma palavra grega para cinto1.
1) Abnet usada 9 vezes em Ex 28.4, 39, 40, Lv 8.7, 13 e Is 2.21.
2) Ezor, 14 vezes em II Rs 1.8; Is 5.27; 11.5; Jr 13.1, 2, 4, 6, 10 e 11.
3) Chagor usada 4 vezes em I Sm 18.4; II Sm 20.8; Pv 31.24 e Ez 23.15.
4) Chagorah ocorre 3 vezes em 2 Sm 18.11; i Rs 2.5 e Is 3.24.
5) Mezach aparece apenas uma vez em Sl 109.19, e
6) Zóne que ocorre 8 vezes em Mt 3.4; 10.19; Mc 1.6; 6.8; At 21.11, Ap 1.13; 15.6.
O uso de pelo menos 39 registros da palavra cinto no texto bíblico. Isto significa que este não era apenas uma peça de enfeite de vestuário. Não era apenas uma faixa de pano para ser usada á altura da cintura, como tamb…

LIVRO DE JUÍZES: a crise moral de Israel

O livro de Juízes recebe esse nome em virtude dos líderes militares e civis levantados por Deus para livrar Israel de seus opressores. O título hebraico traduzido por Juízes é seguido por versões antigas e modernas.
Os juízes não tinham formação oficial para julgar disputas legais como a palavra juiz dá hoje a entender. Eles eram líderes dotados pelo Espírito, escolhidos por Deus para tarefas específicas. Dois dos líderes, Otniel e Eúde, são descritos como “libertadores”. Só Gideão não é chamado juiz ou libertador, mas se diz que livrou Israel. Em um caso, o Senhor é descrito como “juiz”.
O livro de Juízes não revela sua autoria. A tradição judaica de que Samuel escreveu o livro não pode ser comprovada. Alguns estudiosos crêem, porém, que Samuel é o que melhor se adapta às evidências do livro.

É provável que o livro tenha sido compilado durante o início da monarquia. As fontes do livro foram reunidas de maneira gradual, em vários estágios, para for…

INTRODUÇÃO ÀS PARÁBOLAS DOS EVANGELHOS

O termo parábola significa literalmente comparação. É fazer uma comparação. Os dois elementos linguísticos que originaram o termo (para + ballo) significam colocar junto; colocar lado a lado; colocar uma coisa ao lado de outra para fins de comparação.

A parábola é uma comparação extraída da natureza ou da vida diária destinada a esclarecer verdades da esfera espiritual. Ela por uma lado oculta o ensino, e por outro revela-o, dependendo isso do tipo de ouvinte (Mc 4.11, 12; Lc 8.10). Para os indiferentes a Deus e as suas coisas, a parábola é apenas uma história, um relato de fatos reais ou possíveis. Para os espirituais e sedentos da verdade, ele revela os mistérios do reino dos céus no seu aspecto atual (Mc 13.3-53).

Distribuição das parábolas nos Evangelhos:

Das trinta e sete parábolas apresentadas nos Evangelhos, elas encontram-se distribuídas da seguintes forma:
Mateus nos dá onze das parábolas de Jesus, não encontradas nos outros Evangelhos:

1.O joio, Mt 13.24-30, 36-43.
2.O tesouro esc…