Pular para o conteúdo principal

EVANGÉLICOS NA REDE GLOBO


EVANGÉLICOS NO JORNAL NACIONAL
Essa semana (26-29/05/2009) a REDE GLOBO veiculou no JORNAL NACIONAL uma série de reportagens intitulada “Evangélicos” e que tratou dos evangélicos e que estão fazendo quanto à assistência social. Um reportagem muito bem feita por sinal. Confesso que em dado momento me causou um certo espanto e admiração. Até porque a REDE GLOBO tem um histórico de uma relação não muito amistosa com os evangélicos. Novelas de certa forma já ridicularizaram os “crentes”, pastores etc. Também nunca foram de noticiar eventos públicos promovidos por evangélicos. Além do mais, quando algum pastor ou político evangélico comete atos falhos, a GLOBO sempre noticiou isso com muita ênfase.

Agora, essa reportagem parece apontar em outra direção.
Estaria a REDE GLOBO mudando a sua concepção sobre os evangélicos? Mas de que forma? E por quê? Qual o interesse disso? Como os evangélicos passaram a serem vistos? O que será que está acontecendo? Seria eu que teria alguma coisas contra eles, ou a atitude deles é que parece suspeita?
Essas e outras perguntas me vieram a cabeça. De certo modo já tinha minha concepção formada sobre esta brusca mudança. Mas preferi ouvir o que as pessoas estão falando. No geral as pessoas falam da forma que pensam. E ontem dentro de um coletivo ouvi uma senhora comentado com a outra: “você viu menina, até a GLOBO tá reconhecendo que Jesusr. Eles ( a GLOBO) tiveram que dar o braço a torcer e reconhecer que estavam errados. O nome de Deus está sendo glorificado. A própria bíblia diz que ”.
E pelo que ouvi no desenrolar da conversa é que aquela senhora havia ouvido o pastor de sua igreja dizer isso na pregação dominical. Então pensei comigo, será que tais pessoas assistiram o mesmo programa que eu? Ou, será que eu é quem sou incrédulo o bastante pra não perceber um “agir divino” nisso tudo?
Então hoje resolvi ponderar algumas coisas aqui:
1) É de se estranhar que haja um reconhecimento por parte de algum canal de televisão do “serviço humanitário” dos evangélicos, uma vez que ainda estamos muito aquém do ideal. Na verdade são poucas igrejas que levam a assistência social à sério. Não estou dizendo que o trabalho não esteja sendo feito, mas que se considerarmos a proporção de igrejas evangélicas envolvidas em assistência social com os que não estão, o número é bastante ínfimo. Entendo que embora esta não seja a principal tarefa da igreja, ela se faz necessária para o cumprimento integral da missão evangélica. Visto desta forma, há ainda muito o que fazer. Então o pouco que é feito, creio não ser suficiente para tomar tal destaque. O trabalho de assistência social no meio evangélico muitas é renegado ao “último” plano, e na maioria das vezes é feito apenas para justificar a isenção de impostos ou para se conseguir alguma verba extra para as obras (construções) da igreja.
2) Se a GLOBO noticiou alguma atividade dos evangélicos, não significa de forma alguma que ela tenha reconhecido Jesus como Senhor. Até porque em nenhum momento da programação se propôs isto em suas reportagens.
Tal pensamento, obiviamente, é fruto da mentalidade fértil de gente que vê as coisas sem contudo refletir o que se passa de fato. Para pessoas que pensam que com isso o evangelho está tomando lugar no mundo, é bom lembrar que em momento algum da história da Igreja, o Evangelho precisou de artifícios humanos, muito menos de um canal de comunicação, para surtir o seu efeito.
É preciso recordar o que a Bíblia diz do Evangelho:
Cl 2.12 “porque o NOSSO EVANGELHO não foi a vós somente em palavras, mas também EM PODER, E NO ESPÍRITO SANTO, e em muita certeza, como bem sabeis quais fomos entre vós, por amor de vós.”
Rm 1.4 “Porque não me envergonho do EVANGELHO DE CRISTO, pois É O PODER DE DEUS para salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego.”
O Evangelho por si só produz aquilo que deve ser produzido.
O que é preciso se perceber é que a GLOBO não vê nos evangélicos a essência do Evangelho como sendo poder Deus para a transformação do ser humano. O olhar “global” é meramente o olhar do mundo que é regido pelo "capetalismo", onde o que vale mesmo é o “poder de consumo”. As pessoas não são vistas como pessoas, como gente, como seres humanos, mas como meros consumidores em potencial. Não importa quem são, o que pensam, e muito menos o que crêem. Importa se elas são consumidores ou não. E é nessa perspectiva que a GLOBO direciona os seus olhares para os evangélicos. Afinal de contas o número de evangélicos hoje já é bastante expressivo. Com um crescimento acelerado, e considerando-se os muitos segmentos que o movimento evangélico abarca, tem se neles uma fatia considerável do “mercado de consumo” brasileiro. A eles (REDE GLOBO) não lhes interessa a mensagem do evangelho, mas sim o que os evangélicos representam como consumidores em potencial. Ou seja, o que eles podem comprar, gastar, adquirir de produtos. E tendo em vista hoje que a principal emissora concorrente à REDE RECORD, que direciona a sua programação ao segmento evangélico, então não se pode perder a bocada.
Seria então muita ingenuidade nossa (evangélicos) achar que a GLOBO reconhece o Evangelho e muito menos o Senhor Jesus. Para uma emissora que tem um programa semanal chamado “pequenas empresas, grandes negócios”, basta um pulo muito pequeno para se ter um outro chamado “PEQUENAS IGREJAS, GRANDES NEGÓCIOS”.
Então minha gente evangélica vamos deixar de ser tolos, insensatos, néscios, incautos, faltos de entendimento. DESPERTA BRASIL EVANGÉLICO. E LEVANTEMOS A BANDEIRA DA SALVAÇÃO!!!
Não podemos tirar o foco do Evangelho àquele que o sustém CRISTO, SENHOR NOSSO, PODEROSO SALVADOR, AQUELE QUE COM SEU PRECIOSO SANGUE NOS RESGATOU... AQUELE QUE AMOU A IGREJA E SE ENTREGOU POR ELA.
A ELE, E TÃO SOMENTE ELE: HONRA, GLÓRIA, PODER E MAJESTADE DE GERAÇÃO EM GERAÇÃO...
AQUELE QUE É SENHOR DO UNIVERSO.
"Quem tem ouvidos pra ouvir, ou o que o Neemias (pretencioso que só!) diz"
No temor e tremor do Senhor,

Comentários

  1. Sinceramente, me assusta reconhecer como o nosso povo já vive com a cabeça nas nuvens. E o pior é que nem imagino como seria se tirassem a cabeça de lá...
    Além de, fartamente, nos servirem pão e circo, seremos servidos, de badeja, no que, nós, administradores, chamamos de nicho de mercado.
    Que o Senhor nos ensine a prudência... Amém.

    ResponderExcluir
  2. Prof. Neemias, esqueci de uma coisa:
    Parabéns pelo "capetalismo"... foi ótima!
    E disse Deus: -Haja Prudência...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

QUANDO O CINTO SE ROMPE!

Hoje pela manhã quando estava colocando o cinto na calça como de costume, ele quebrou. Se quebrou onde dificilmente quebraria, na fivela. Quando isto aconteceu, lembrei-me do cinto roto descrito em Jr 13.1-11, e de várias outras ocasiões em que o cinto é descrito na Bíblia. Há pelo menos cinco palavras hebraicas e uma palavra grega para cinto1.
1) Abnet usada 9 vezes em Ex 28.4, 39, 40, Lv 8.7, 13 e Is 2.21.
2) Ezor, 14 vezes em II Rs 1.8; Is 5.27; 11.5; Jr 13.1, 2, 4, 6, 10 e 11.
3) Chagor usada 4 vezes em I Sm 18.4; II Sm 20.8; Pv 31.24 e Ez 23.15.
4) Chagorah ocorre 3 vezes em 2 Sm 18.11; i Rs 2.5 e Is 3.24.
5) Mezach aparece apenas uma vez em Sl 109.19, e
6) Zóne que ocorre 8 vezes em Mt 3.4; 10.19; Mc 1.6; 6.8; At 21.11, Ap 1.13; 15.6.
O uso de pelo menos 39 registros da palavra cinto no texto bíblico. Isto significa que este não era apenas uma peça de enfeite de vestuário. Não era apenas uma faixa de pano para ser usada á altura da cintura, como tamb…

LIVRO DE JUÍZES: a crise moral de Israel

O livro de Juízes recebe esse nome em virtude dos líderes militares e civis levantados por Deus para livrar Israel de seus opressores. O título hebraico traduzido por Juízes é seguido por versões antigas e modernas.
Os juízes não tinham formação oficial para julgar disputas legais como a palavra juiz dá hoje a entender. Eles eram líderes dotados pelo Espírito, escolhidos por Deus para tarefas específicas. Dois dos líderes, Otniel e Eúde, são descritos como “libertadores”. Só Gideão não é chamado juiz ou libertador, mas se diz que livrou Israel. Em um caso, o Senhor é descrito como “juiz”.
O livro de Juízes não revela sua autoria. A tradição judaica de que Samuel escreveu o livro não pode ser comprovada. Alguns estudiosos crêem, porém, que Samuel é o que melhor se adapta às evidências do livro.

É provável que o livro tenha sido compilado durante o início da monarquia. As fontes do livro foram reunidas de maneira gradual, em vários estágios, para for…

INTRODUÇÃO ÀS PARÁBOLAS DOS EVANGELHOS

O termo parábola significa literalmente comparação. É fazer uma comparação. Os dois elementos linguísticos que originaram o termo (para + ballo) significam colocar junto; colocar lado a lado; colocar uma coisa ao lado de outra para fins de comparação.

A parábola é uma comparação extraída da natureza ou da vida diária destinada a esclarecer verdades da esfera espiritual. Ela por uma lado oculta o ensino, e por outro revela-o, dependendo isso do tipo de ouvinte (Mc 4.11, 12; Lc 8.10). Para os indiferentes a Deus e as suas coisas, a parábola é apenas uma história, um relato de fatos reais ou possíveis. Para os espirituais e sedentos da verdade, ele revela os mistérios do reino dos céus no seu aspecto atual (Mc 13.3-53).

Distribuição das parábolas nos Evangelhos:

Das trinta e sete parábolas apresentadas nos Evangelhos, elas encontram-se distribuídas da seguintes forma:
Mateus nos dá onze das parábolas de Jesus, não encontradas nos outros Evangelhos:

1.O joio, Mt 13.24-30, 36-43.
2.O tesouro esc…