Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2009

TEOLOGIA DA IGREJA: uma igreja segundo os propósitos de Deus

MULLOLLAND, Dewey M. Teologia da Igreja: uma igreja segundo os propósitos de Deus. São Paulo: Shedd Publicações, 2004. 252 p.(RESENHA)


O autor propõe em seu livro não uma discussão ou debate, mas uma pesquisa à respeito de sua compreensão da igreja segundo os propósitos de Deus, tomando por base as Escrituras. O texto na verdade, não nasceu como livro, mas é fruto de seus apontamentos individuais para suas aulas de Eclesiologia na Faculdade de Brasília, onde lecionava. Por ter esse caráter mais didático, é fácil perceber que o autor dividiu catorze capítulos de seu livro em quatro partes principais: natureza, ministério, missão e forma da igreja.
O autor introduz o livro levantando questionamentos sobre como vão as igrejas. Observa que a igreja foi criada e arquitetada por Deus, Cristo deu a sua vida por ela e o Espírito Santo foi enviado para lhe dar poder para cumprir sua missão terrena, chamando os pecadores para a comunhão, na esperança da eternidade. Asseve…

DEUS ESTAVA EM CRISTO: um ensaio sobre a encarnação e a expiação

BAILLIE, Donald Macperson. Deus estava em Cristo: ensaio sobre a encarnação e a expiação. 2ª ed. Rio de Janeiro: JUERP/ASTE, 1983. 263p. (RESENHA)


O autor foi professor de teologia sistemática na University of Saint Andrews na Escócia, seus país de origem. Viveu entre os anos de 1887 a 1954. Junto com seu irmão John Baillie, fez parte do movimento que se chamou "a teologia da reconstrução" na Escócia durante os anos 1920-1950, a qual foi uma resposta neo-ortodoxa ao que ele considerava ser o evangelho liberal da primeira metade do séc. XX na Europa.
Este livro é sua obra prima, apesar de que ele mesmo o denomine apenas como um ensaio sobre a encarnação e a expiação de Cristo, de que não se tenha notícia de que ele tenha escrito outros mais. Como professor de teologia dava muitas palestras, e algumas delas foram inseridas no livro.
Baillie propôs restabelecer o equilíbrio na cristologia, frente a eruditos como Karl Rudolf Bultmann, Karl Barth e Emil Brunner, que diziam que não e…

HOJE FUI AO SHOPPING DA FÉ

Como documentalista nas horas (vagas?) trabalho em vários lugares diferentes. Hoje estive em Esmeraldas. Uma das cidadezinhas da grande BH. Com mais ou menos uns 60.000 habitantes, à distância de pouco mais de 50km da Praça Sete. Na minha visita a esta cidadezinha, me sentí em Atenas (guardadas as devidas proporções) dos dias de Paulo. Quando cheguei na praça da matriz, me deparei com algo no mínimo inusitado. Na principal das esquinas o quadro que ví foi o seguinte: de um lado a Matriz da Paróquia de Santa Maria Gertrudes, do outro lado o Fórum, na outra esquina a Prefeitura, em frente uma enorme loja (para o tamanho da cidade) chamada o SHOPPING DA FÉ, que me chamou bastante atenção. Eu achava que já tinha visto de tudo, corrente poderosa de fé, show da fé, espetáculo de Deus, o encontro, shopping evangélico etc. Agora pude entrar Shopping da fé. Coincidência ou não, pra dizer verdade, no trajeto até aquela cidade, estive pensando no apelo mercadológico a que a fé está submetida. Ou…

O CORPUS PAULINUS E SUAS FONTES VETEROTESTAMENTÁRIAS

por Neemias de Oliveira1
RESUMO: Neste artigo procurou-se verificar quais foram as fontes disponíveis para a formação do Novo Testamento, mais especificamente o corpus Paulino. Observou-se que o apóstolo Paulo não foi apenas quem mais citou o Primeiro Testamento, tanto de forma direta ou implícita, mas também, quem dispôs das mais variadas formas do texto das Escrituras hebraicas. Destacou-se como e quais as formas que as cartas paulinas dependem de uma ou mais passagens das Escrituras.
PALAVRAS-CHAVE: Escrituras hebraicas, septuaginta, corpus Paulino, citações.
Introdução
A Bíblia dos autores do Novo Testamento eram as Escrituras judaicas, que posteriormente passaram a ser denominadas Antigo Testamento, e mais recentemente Primeiro Testamento.2 A Bíblia era central na vida deles, como também na dos rabinos, essênios, e demais grupos religiosos de sua época.
Uma importante questão é qual versão das Escrituras os autores neotestamentários usaram em seus escritos, uma vez…