Pular para o conteúdo principal

ESTUDAR TEOLOGIA NÃO DESVIA NINGUÉM: é possível pensar a fé sem perder a esperança!


Se há um mito no meio evangélico, que precisa ser visto com atenção, é o de que o estudante de teologia acaba se esfriando na fé, chegando até mesmo a negá-la. Como estudante de teologia, por várias vezes já fui abordado por irmãos que solenemente advertem: “cuidado com a teologia, esse negócio de estudar muito pode te esfriar na fé. Já vi muitas pessoas na igreja que eram uma benção, mas agora depois de começar a estudar teologia acabaram fracassando na fé”. Nas maioria das vezes, engulo seco, e penso comigo mesmo que isto não passa de um ledo engano.
Desde quando me entendo por gente, e passei a ouvir tais afirmações, me sobrevieram alguns questionamentos: como pode alguém ao estudar a Bíblia com mais profundidade se desviar da fé? Ora, as próprias Escrituras dizem que “a fé vem pelo ouvir, e o ouvir a Palavra de Cristo” (Rm 10.17). Então como pode alguém, que lê, estuda ou medita na Palavra de Deus se esvanecer da fé? Se até mesmo ao longo do texto bíblico há várias recomendações para que se leia cuidadosamente as Escrituras, se medite nela de dia e de noite. Aliás, o que assim faz é chamado “bem-aventurado” Sl 1.1,2.
Daí, creio que a conclusão de que estudar teologia faz desviar alguém da fé seja precipitada. Tal afirmação, creio eu, se dá com a observação do comportamento de alguns estudantes de teologia. Pois alguns destes, durante o curso ou mesmo depois de formados, acabam tendo algum tipo de comportamento, às vezes, reprováveis diante de sua comunidade de fé. Outros, por causa das muitas horas dedicadas aos estudos acabam negligenciando as atividades em sua comunidade eclesiástica, das quais se dedicavam com certo afinco antes de começar seus estudos. Ainda outros, por sua vez, já não aceitam mais os ensinamentos de seus líderes e chegam até mesmo a questionar autoridade de seu pastor. E, por último, acabam a abandonando a igreja, e até mesmo a fé.
Outro fator que pode levar alguns àquela conclusão equivocada, talvez seja o fato de que alguns líderes inescrupulosos acabam por espalhar tal assertiva de forma irresponsável. Tais líderes, talvez, o façam ao se verem ameaçados pelo fato de que algum liderado seu está se aprimorando em seus conhecimentos teológicos, e possa com isso ganhar uma maior simpatia em seu reduto.
Então, como se portar diante destas constatações? Será a “teologia” a culpada, ou o estudante desavisado? Ante esses questionamentos seria válido algumas observações:
Primeiro - é evidente que nenhuma escola, seminário ou faculdade de teologia tenha por objetivo, afastar seus estudantes da fé. Pelo contrário, este se propõe a ajudá-los a pensar a sua fé, e também fazerem com esta fé se torne ativa e producente. Seria um contra-senso um curso teológico, que na maioria das vezes é realizado nas próprias dependências das igrejas, ir contra os seus princípios, visto serem estes fundamentados nas escrituras.
Segundo - tudo indica, que tais estudantes de teologia que se "esfriam” na fé, certamente o fariam em qualquer momento de sua vida cristã, mais cedo ou mais tarde. Lamentavelmente, a sua escola, faculdade ou seminário teológico, não teve como ajudá-lo em sua crise espiritual. É por isso que boa parte dos cursos teológicos exige que seus alunos estejam ligados a alguma igreja, e seja participante ativos das atividades eclesiásticas.
Terceiro - Seria uma incongruência, se algum curso teológico se desse ao papel de desconstruir a fé de seus docentes. É bem verdade que às vezes, se estuda o pensamento de alguns teólogos liberais, e isto pode levar a conclusões precipitadas e adversas sobre as escrituras e sua autoridade. No entanto, por mais liberal que um teólogo possa ser, ainda assim há relampejo de fé, do qual qualquer estudante de teologia que se preza deveria se apegar.
Quarto - É contraditório, o fato de que o estudo de uma teologia pautada nas escrituras resulte na diminuição da fé ou até a negação da mesma. Ora, se a fé vem pelo ouvir a Palavra de Deus, quanto mais o estudo pormenorizado da mesma. E quando se tem compromisso com Deus, o estudo de sua Palavra se torna satisfatório e alimenta a fé.

Noutras postagens, continuarei com este assunto.
por Neemias de Oliveira
Este blogg propõe a discussão deste e de outros temas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUANDO O CINTO SE ROMPE!

Hoje pela manhã quando estava colocando o cinto na calça como de costume, ele quebrou. Se quebrou onde dificilmente quebraria, na fivela. Quando isto aconteceu, lembrei-me do cinto roto descrito em Jr 13.1-11, e de várias outras ocasiões em que o cinto é descrito na Bíblia. Há pelo menos cinco palavras hebraicas e uma palavra grega para cinto1.
1) Abnet usada 9 vezes em Ex 28.4, 39, 40, Lv 8.7, 13 e Is 2.21.
2) Ezor, 14 vezes em II Rs 1.8; Is 5.27; 11.5; Jr 13.1, 2, 4, 6, 10 e 11.
3) Chagor usada 4 vezes em I Sm 18.4; II Sm 20.8; Pv 31.24 e Ez 23.15.
4) Chagorah ocorre 3 vezes em 2 Sm 18.11; i Rs 2.5 e Is 3.24.
5) Mezach aparece apenas uma vez em Sl 109.19, e
6) Zóne que ocorre 8 vezes em Mt 3.4; 10.19; Mc 1.6; 6.8; At 21.11, Ap 1.13; 15.6.
O uso de pelo menos 39 registros da palavra cinto no texto bíblico. Isto significa que este não era apenas uma peça de enfeite de vestuário. Não era apenas uma faixa de pano para ser usada á altura da cintura, como tamb…

LIVRO DE JUÍZES: a crise moral de Israel

O livro de Juízes recebe esse nome em virtude dos líderes militares e civis levantados por Deus para livrar Israel de seus opressores. O título hebraico traduzido por Juízes é seguido por versões antigas e modernas.
Os juízes não tinham formação oficial para julgar disputas legais como a palavra juiz dá hoje a entender. Eles eram líderes dotados pelo Espírito, escolhidos por Deus para tarefas específicas. Dois dos líderes, Otniel e Eúde, são descritos como “libertadores”. Só Gideão não é chamado juiz ou libertador, mas se diz que livrou Israel. Em um caso, o Senhor é descrito como “juiz”.
O livro de Juízes não revela sua autoria. A tradição judaica de que Samuel escreveu o livro não pode ser comprovada. Alguns estudiosos crêem, porém, que Samuel é o que melhor se adapta às evidências do livro.

É provável que o livro tenha sido compilado durante o início da monarquia. As fontes do livro foram reunidas de maneira gradual, em vários estágios, para for…

O CORPUS PAULINUS E SUAS FONTES VETEROTESTAMENTÁRIAS

por Neemias de Oliveira1
RESUMO: Neste artigo procurou-se verificar quais foram as fontes disponíveis para a formação do Novo Testamento, mais especificamente o corpus Paulino. Observou-se que o apóstolo Paulo não foi apenas quem mais citou o Primeiro Testamento, tanto de forma direta ou implícita, mas também, quem dispôs das mais variadas formas do texto das Escrituras hebraicas. Destacou-se como e quais as formas que as cartas paulinas dependem de uma ou mais passagens das Escrituras.
PALAVRAS-CHAVE: Escrituras hebraicas, septuaginta, corpus Paulino, citações.
Introdução
A Bíblia dos autores do Novo Testamento eram as Escrituras judaicas, que posteriormente passaram a ser denominadas Antigo Testamento, e mais recentemente Primeiro Testamento.2 A Bíblia era central na vida deles, como também na dos rabinos, essênios, e demais grupos religiosos de sua época.
Uma importante questão é qual versão das Escrituras os autores neotestamentários usaram em seus escritos, uma vez…